segunda-feira, 23 de maio de 2011

Empreendedora faz empréstimo para ampliar produção

Notícias

 

Ex-doméstica de Luziânia recebe crédito de R$ 6,6 mil do Banco do Brasil para investir na produção de polpas de frutas em sua chácara

José Antônio Cardoso

·                     download

·                     ampliar

Edmar Wellington
Henrique Diniz, do Banco do Brasil, e Celeste Cardoso, na assinatura do contrato do FCO

Henrique Diniz, do Banco do Brasil, e Celeste Cardoso, na assinatura do contrato do FCO

 

Luziânia - A agência do Banco do Brasil em Luziânia (GO), a 196 km de Goiânia, é a primeira a fazer um financiamento com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) para um Empreendedor Individual (EI). A beneficiada é Celeste Cardoso Reais, 60 anos, ex-doméstica formalizada há um ano e três meses.

 

Celeste acaba de receber do FCO recursos de R$ 6,6 mil (R$ 3 mil de custeio e R$ 3,6 mil de investimento), para desenvolver uma mini-indústria de processamento de polpas de frutas, na Chácara ‘Vó Maria’, distante 35 km de Luziânia. Na terra de cinco hectares, a agricultora divide o trabalho com Flori Amaro Honorato Reis, 65, seu marido, entre a plantação de frutas (600 pés de maracujá, 200 de acerola e 200 de manga) e a despolpa manual. “Agora, a labuta vai melhorar em produtividade e qualidade”, destaca Celeste, citando o crédito como fundamental para isso.

 

Segundo Celeste, o dinheiro do FCO já promoveu a compra de uma despolpadeira de frutas para o empreendimento familiar, que deve triplicar a produção atual na chácara, de 1,2 mil quilos de polpas de frutas, por mês.

 

“Nosso mercado para venda pode crescer junto ao comércio de Luziânia”, espera a produtora, que comercializa toda a fabricação por meio da Central das Associações dos Produtores Rurais de Luziânia (Caprul).

 

Trabalhando como EI, Celeste prevê um rendimento médio três vezes maior para ela, comparado ao salário de R$ 300 mensais de auxiliar doméstica na cidade. O que pode ajudar o seu empreendimento a quitar o FCO, em prestações médias de R$ 250 por mês, juntando os financiamentos de custeio e investimento.

 

“Vamos pagar o banco em até 36 vezes, o que não deve apertar o orçamento”, analisa a agricultora, que teve o benefício do FCO por ter conta empresarial do EI há um ano, em conformidade com os critérios para o financiamento.

 

Serviço
Chácara ‘Vó Maria’: (61) 9969-1042
Banco do Brasil / Luziânia (GO): (61 ) 3622-1455
Sebrae – Regional Entorno DF: (61) 3621-1030
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800
Oficina de Comunicação: (62) 3225-4899
Agência Sebrae de Notícias (ASN Goiás): (62) 3250-2268

 

Fonte: Agência Sebrae

Nenhum comentário:

Postar um comentário